Descrição: Descrição: Descrição: Descrição: Descrição: Descrição: Descrição: C:\Users\Ervas\Desktop\ervas e doencas\aborto_arquivos\image001.jpg

Voltar a pagina inicial

Câncer colorretal

Fone 43 3325 5103

Resumo - Câncer colorretal

Descrição: câncer colorretalO câncer colorretal é uma doença maligna que atinge o intestino grosso e o reto. É um dos tipos de câncer mais incidentes no mundo, sendo responsáveis por diversas mortes. No Brasil, segundo o INCA, quase 30 mil pessoas foram atingidas com o câncer colorretal no ano de 2010, é o quarto câncer mais frequente no Brasil. As regiões Sul e Sudeste são as com maior incidência da doença sendo que o Rio Grande do Sul e Rio de Janeiro são os estados com maior incidência da doença.

Suas causas ainda não estão totalmente esclarecidas, entretanto alguns fatores podem aumentar os riscos de desenvolvimento da doença, como histórico familiar de câncer colorretal e hábitos alimentares. Normalmente a doença é mais comum após os 50 anos de idade. Pessoas acima do peso, sedentárias e com doenças inflamatórias no intestino grosso são alguns dos grupos de risco da doença.

Descrição: câncer colorretal doençaOs sintomas caracterizam-se por mudanças nos hábitos intestinais com dores abdominais, sangue nas fezes, gases, perda de peso repentina, dentre outros. O diagnóstico normalmente é feito por colonoscopia e biópsia. Complicações da doença incluem metástase (disseminação do câncer para outras regiões do corpo) e complicações advindas da cirurgia de remoção do tumor, como infecções e hemorragias.

O tratamento é escolhido de acordo com o grau e extensão do tumor e o médico pode lançar mão da remoção cirúrgica do tumor, quimioterapia e radioterapia. Algumas plantas medicinais têm sido investigadas contra o câncer colorretal, como o cebolinho chinês, o chá verde, gengibre e a maçã. A homeopatia é um tratamento alternativo que pode resultar em melhora na qualidade de vida do paciente, como aumento do apetite, melhora do sono e ganho de disposição.

É importante ressaltar que o câncer colorretal, quando diagnosticado precocemente, tem altas chances de cura e de sobrevida do paciente. Portanto, se você tem mais de 50 anos, faça exames regularmente. Fique alerta também se você tem casos de câncer na família. Algumas dicas de prevenção são: controle o peso, mudanças de hábitos alimentares, consumo moderado de álcool e redução do tabagismo.

Definição

Descrição: http://www.criasaude.com.br/data/dataimages/Upload/intestino-grosso.jpgO câncer de cólon e reto ou câncer colorretal é uma doença maligna que se caracteriza por tumores que atingem o cólon (intestino grosso) e o reto (ultima porção do intestino grosso). Por muitas vezes, os tumores desenvolvidos são benignos, não caracterizando um câncer, chamados de pólipos adenomatosos. Entretanto, alguns desses pólipos podem se tornar tumores malignos.

O tipo mais comum de câncer colorretal é o adenocarcinoma colorretal, que se origina das glândulas presentes no cólon e corresponde a mais de 90% dos casos. Outros tipos linfomas (originário dos linfonodos do intestino grosso) e carcinoma espinocelular (de origem epitelial).

Estatísticas

Descrição: http://www.criasaude.com.br/data/dataimages/Upload/travailler-debout-chagin.jpgO câncer colorretal é um dos mais incidentes no mundo, principalmente nos países desenvolvidos, sendo o terceiro tipo mais comum de neoplasia em ambos os sexos. Nos EUA, estima-se que 150 mil pessoas são diagnosticadas anualmente, sendo que cerca de 60 mil morrem da doença a cada ano.

Segundo estimativas do INCA (Instituto Nacional do Câncer), para o ano de 2010 foram esperados 30.140 mil novos casos de câncer de cólon e reto no Brasil, sendo 14.180 em homens e 15.960 em mulheres.

Ainda de acordo com o INCA, as estimativas para 2012 são que as regiões Sul e Sudeste apresentem as maiores incidências da doença tanto para homens quanto para mulheres. Na região Sul, a maior incidência prevista é do Rio Grande do Sul, 23,04 casos a cada 100 mil homens e 25,38 casos a cada 100 mil mulheres. Na região Sudeste, o estado com maior incidência é o Rio de Janeiro, com 25,69 casos a cada 100 mil homens e 28,38 casos a cada 100 mil mulheres. O estado com a menor incidência em homens é o Amapá, com 0,00 casos a cada 100 mil homens. Para as mulheres, Roraima entra na lista com a menor incidência, com 0,00 casos a cada 100 mil mulheres. A maior incidência de casos acontece acima dos 50 anos de idade e as mulheres parecem ser as mais atingidas.

Causas

As causas do câncer colorretal ainda não são totalmente esclarecidas. Alguns fatores apontados como possíveis causas desencadeantes do câncer colorretal são:

Descrição: http://www.criasaude.com.br/data/dataimages/Upload/20-mai-2010-C.jpg- Hábitos alimentares: dietas com alto conteúdo de gorduras e carne vermelha podem estar ligadas às causas do câncer.

- Mutações genéticas: assim como em outros cânceres, mutações genéticas nas células do intestino grosso e reto podem levar ao surgimento de tumores. Determinadas mutações podem ser transmitidas hereditariamente e correspondam a cerca de 20% dos casos de câncer. Algumas dessas mutações podem ainda ocasionar algumas síndromes que são responsáveis por aumentarem os riscos de surgimento da doença. Pessoas com casos de câncer colorretal na família têm mais chances de desenvolver a doença, sendo essa uma causa hereditária.

- Polipose Adenomatosa Familiar (FAP): é uma doença rara que causa o desenvolvimento de diversos pólipos (agregados de células pré-cancerosas com formato de cogumelo) no cólon e reto. Quando não tratada, essa síndrome aumenta as chances de desenvolvimento de câncer.

- Câncer Colorretal Hereditário Não-Poliposo (HNPCC): também conhecida como síndrome de Lynch, essa condição aumenta as chances de desenvolvimento de câncer colorretal, inclusive abaixo dos 50 anos de idade.

-  Ficar sentado por muito tempo. Um estudo australiano publicado no American Journal of Epidemiology em abril de 2011 mostrou que trabalhar sentado por 10 anos aumenta em duas vezes o risco de desenvolver câncer colorretal em comparação com aqueles que não estão constantemente sentados em seus dias de trabalho.

Grupos de risco do câncer colorretal

As incidências demonstram que o câncer colorretal atinge tanto homens quanto mulheres. Dentro da população geral, alguns grupos de risco para a doença são:

Descrição: http://www.criasaude.com.br/data/dataimages/Upload/homem_saude.jpg- Pessoas acima dos 50 anos, uma vez que grande parte dos casos de câncer de cólon e reto são detectados nesses pacientes;

- Pacientes com histórico familiar de câncer colorretal ou pólipos;

- Pacientes com síndromes hereditárias que aumentam a incidência de câncer colorretal, como Polipose Adenomatosa Familiar e Câncer Colorretal Hereditário Não-Poliposo;

- Pessoas com dietas pobres em fibras e ricas em gorduras e carne vermelha;

- Obesos e sedentários;

- Pacientes com alto consumo de álcool;

Descrição: http://www.criasaude.com.br/data/dataimages/Upload/cigarro1.jpg- Fumantes, inclusive fumantes passivos;

- Pacientes com doenças inflamatórias do intestino, como a retocolite ulcerativa crônica e Doença de Crohn;

- Pacientes que já foram expostos à radiação ionizante, como na radioterapia.

É importante ressaltar que os pacientes que possuam um ou mais fatores de risco não necessariamente desenvolverão câncer. A doença tem uma fisiopatologia complexa que depende tanto de fatores genéticos quanto de causas ambientais. Cabe citar também que o câncer colorretal quando detectado precocemente tem altas chances de cura.

Sintomas

Descrição: http://www.criasaude.com.br/data/dataimages/Upload/diarrhee.jpgOs principais sintomas do câncer colorretal afetam principalmente o trato digestório inferior. Esses sinais normalmente incluem:

- Mudanças nos hábitos intestinais, como diarréias freqüentes ou constipações sem nenhuma causa aparente.

- Presença de fezes com sangue (melena).

- Hemorragia intestinal e anal.

- Sensação de que o intestino não se esvaziou após uma evacuação, com esforço ineficaz para eliminação das fezes.

- Náuseas e vômitos.

- Dor abdominal inferior e na região anal.

- Presença de gases.

- Mudança na consistência das fezes.

- Perda de peso.

- Anemia (devido à perda de sangue).

- Fraqueza.

- Tenesmo.

O câncer colorretal quando detectado em estágios iniciais tem grandes chances de cura. É importante sempre estar alerta a esses sintomas principalmente se você faz parte de algum grupo de risco. Pacientes acima dos 50 anos devem conversar com o médico para realizar o exame de sangue oculto nas fezes. Pacientes com condições hereditárias ou doenças inflamatórias (retocolite ulcerativa crônica etc) devem conversar com o médico.

Diagnóstico

O diagnóstico do câncer colorretal é normalmente feito através da colonoscopia, uma endoscopia destinada ao cólon e reto. Quando alguma anormalidade é detectada, o médico pode usar o tubo de colonoscopia para fazer um pequeno procedimento cirúrgico e extrair parte do tecido para análise (biópsia). O procedimento de colonoscopia é feito com sedação do paciente e preparo do intestino para receber o tubo.

Veja a seção: Uma colonoscopia a cada 10 anos reduz em 40% o risco de câncer colorretal

Diferenças entre homens e mulheres em relação ao câncer colorretal

Entre os homens os tumores localizam-se mais perto do reto, já nas mulheres os tumores são localizados mais perto do cólon.

Como a colonoscopia é mais eficaz no reto do que no cólon, as mulheres possuem risco mais elevado de sofrer desse tipo de câncer, pois no momento da realização da colonoscopia os médicos são menos capazes de atingir o cólon. Para a revista mensal francesa Science &Vie (edição de agosto de 2014), que relataram as diferenças entre homens e mulheres na medicina, os médicos devem considerar esta informação e melhorar os métodos de rastreamento em mulheres.

Um estudo canadense demonstrou em 2010 que a colonoscopia em mulheres é menos eficiente do que nos homens, com acompanhamento de 3 anos após a colonoscopia.

Uma vez detectada a doença, exames de imagem auxiliam na detecção da extensão do câncer. Nesse caso, procedimentos de tomografia computadorizada e raio-X com contraste de bário podem ser necessários. Exames de sangue por vezes também são necessários para analisar marcadores oncológicos do câncer.

Exames histológicos determinam qual o estágio do câncer, que podem ser:

Estágio

Características

Estágio 0

O câncer é conhecido como carcinoma in situ, ou seja, ele ainda não atingiu camadas mais profundas da mucosa intestinal.

Estágio 1

O câncer nesse estágio cresceu através da mucosa, mas não atingiu a parece do cólon ou do reto.

Estágio 2

Nesse nível, o câncer atingiu a parece do intestino o do reto, mas ainda não alcançou linfonodos.

Estágio 3

O câncer atingiu linfonodos que estão próximos ao local inicial de ocorrência, mas ainda não se espalhou para outras regiões do corpo.

Estágio 4

O câncer se tornou metastático e atingiu outros órgãos do corpo.

Mesmo após o tratamento, o câncer pode retornar, sendo esse um caso de recorrência da doença. Isso pode acontecer no cólon, reto ou em alguma outra parte do corpo.

Complicações

O câncer colorretal pode se proliferar, atingindo outros lugares do corpo e gerando novos cânceres em órgãos distintos (principalmente fígado). Outra complicação é a recorrência do câncer no próprio intestino grosso ou no reto.

Outras complicações do câncer colorretal podem advir do procedimento cirúrgico de remoção do tumor. Dentre elas, podemos citar: infecções, hérnia intestinal, hemorragias, isquemia e necrose (por obstrução de artérias e vasos), perfuração intestinal, dentre outras.

Tratamento

O tratamento escolhido para o câncer colorretal dependerá do grau de lesão do tumor e da área atingida, além de ter ou não metástase. O médico poderá lançar mão de 3 estratégias principais de tratamento:

Cirurgia

Descrição: http://www.criasaude.com.br/data/dataimages/Upload/bisturi.jpgQuando o câncer é pequeno e localizado, o médico poderá obter por fazer uma remoção cirúrgica da massa tumoral através do procedimento de colonoscopia. Se o tumor for maior, o médico poderá removê-lo por laparoscopia ou vídeo-laparoscopia.

Caso o câncer tenha crescido para a parede do intestino, o médico poderá optar pela colectomia, que é a retirada de parte do intestino grosso ou reto. Nesse caso, o cirurgião reconecta as partes restantes do intestino. Entretanto, quando isso não é possível, o paciente precisará de uma colectomia temporária ou permanente. Para a coleta das fezes, é utilizada uma bolsa especial.

Em casos muito avançados, o médico pode fazer uma cirurgia paliativa. Esse procedimento visa melhorar os sintomas do paciente, não curá-lo totalmente. Quimioterapia pode ser usada após a cirurgia paliativa para melhorar o prognóstico do paciente.

Radioterapia

A radioterapia usa raios altamente energéticos para destruir as células tumorais. Esse procedimento pode ser usado para matar as células tumorais remanescentes pós cirurgia, para reduzir o número de células antes da remoção cirúrgica (para serem removidas mais facilmente) ou para amenizar os sintomas do câncer.

A radioterapia é mais destinada para cânceres avançados e que penetraram em camadas mais profundas do intestino. Para evitar recorrência, a radioterapia normalmente é combinada com quimioterapia.

Quimioterapia

Descrição: http://www.criasaude.com.br/data/dataimages/Upload/medicament-comprime-effervescent.jpgA quimioterapia se baseia na administração de medicamentos para matar as células tumorais. Esse procedimento pode ser feito antes ou depois da cirurgia, dependendo do estágio do tumor. Os médicos, antes de indicarem o tratamento quimioterápico, devem testar se o paciente tem mutação no gene KRAS uma vez que ela confere resistência a determinadas drogas.

Exemplos de fármacos utilizados para quimioterapia do câncer colorretal são o cetuximab, panitumumab, bevacizumab, 5-fluorouracila, oxaliplatina, leucovirina e irinotecano.

Fitoterapia

Até o momento, não existem plantas medicinais indicadas para o tratamento do câncer colorretal. Entretanto, pesquisas têm sido conduzidas com componentes da planta cebolinho chinês (Allium tuberosum L.). Os estudos com componentes tiossulfinatos desse vegetal mostraram que a proliferação celular é inibida.

Descrição: http://www.criasaude.com.br/data/dataimages/Upload/cha-preto.jpgEstudos com ratos mostraram que aqueles que receberam o composto 6-gingerol (presente no gengibre), desenvolveram menos tumores que os ratos que não receberam essa substância. Outra planta que também é cogitada como ação antitumoral é o chá verde. Essa erva possui compostos antioxidantes que protegem o fitoterapia câncer colorretalDNA da célula contra alterações e mutações.

Uma pesquisa recente realizada na Polônia e publicada na revista European Journal of Cancer Prevention demonstrou que o consumo regular de maçã ajuda a reduzir o risco de desenvolvimento do câncer colorretal. Segundo os pesquisadores, os efeitos benéficos da fruta estariam relacionados com o seu teor de flavonóides, substâncias com ação antioxidante e que combate os radicais livres do corpo.

Homeopatia

Descrição: http://www.criasaude.com.br/data/dataimages/Upload/homeopatia_small.pngA homeopatia pode ser utilizada para melhorar a qualidade de vida do paciente com câncer colorretal. Muitos medicamentos homeopáticos visam reduzir os efeitos colaterais da terapia convencional e aumentar a disposição, o apetite, melhorar o sono, etc do paciente. Alguns dos produtos usados são:

- Labis Albus

- Phosphorus

- Traumeel S

- Iodum

Converse com o seu homeopata e veja qual a melhor indicação para o seu caso.

Dicas para o câncer colorretal

Descrição: http://www.criasaude.com.br/data/dataimages/Upload/fruits.jpgAlgumas dicas são importantes no caso do câncer colorretal:

- Se você possui mais de 50 anos, faça regularmente o exame de sangue oculto nas fezes. A detecção precoce do câncer colorretal aumenta suas chances de cura e a sobrevida do paciente.

- Fique sempre atento a seus hábitos intestinais. Se você perceber mudanças sem nenhuma causa aparente, procure um médico.

- Tenha atenção dobrada aos sintomas se você possui casos na família de câncer colorretal ou tem histórico de doenças inflamatórias intestinais, como doença de Crohn ou retocolite ulcerativa crônica.

- O tratamento quimioterápico ou radioterápico pode resultar em diversos efeitos colaterais. Converse com o seu médico para que ele possa indicar algum medicamento específico para náuseas, enjôos, vômitos, fraqueza, anemia etc.

- Se você for diagnosticado com a doença, procure apoio em seus amigos e familiares. Não encare isso como uma sentença de morte. Alternativas como yoga, meditação e atividades físicas ajudam o paciente a conviver com a doença e ter uma melhor qualidade de vida.

Prevenção

O câncer de cólon e reto quando diagnosticado precocemente tem altas chances de cura. Para pacientes prevenção câncer colorretalacima dos 50 anos, é indicado fazer anualmente o exame de sangue oculto nas fezes. Além disso, outros exames são indicados como sigmoidoscopia flexível (a cada 5 anos), enema duplo com contraste de bário (a cada 5 anos), colonoscopia (a cada 10 anos), colonoscopia virtual (a cada 5 anos), teste de DNA nas fezes.

Alguns hábitos de vida também podem ser adotados para se prevenir a doença:

- Comer porções de frutas e legumes, que são ricos em fibras alimentares e também consumir grãos integrais, se possível.

De acordo com um estudo publicado em março de 2015, na versão on-line do JAMA Internal Medicine, os vegetarianos apresentam menos riscos, cerca de 20% a menos, de desenvolver câncer colorretal em comparação com aqueles que consomem carne.

- Beba álcool em moderação.

Descrição: http://www.criasaude.com.br/data/dataimages/Upload/20-mars-2013-B.jpg- Evite fumar.

- Pratique exercícios físicos.

- Controle o seu peso.

Algumas medidas preventivas são indicadas para pessoas com alto risco de desenvolvimento do câncer colorretal. Entretanto, essas medidas precisam de investigação. Converse com o seu médico para obter mais detalhes.

- De acordo com um estudo britânico publicado em 2014, a ingestão diária de 75 a 100 mg de aspirina reduz o risco de câncer de intestino em 35% após 10 anos do início do tratamento, o risco de morrer desse tipo de câncer diminuiu 40%. No entanto, o efeito protetor da aspirina somente se manifesta durante um período de tratamento de pelo menos 5 anos, se possível 10 anos. Para tratamentos mais curtos, os pesquisadores não observaram um efeito protetor significativo.

A ingestão diária de aspirina deve começar entre 50 e 65 anos, com acompanhamento médico.

Veja a seção: Uma colonoscopia a cada 10 anos reduz em 40% o risco de câncer colorretal